Você sabe o que são Cidades Inteligentes?

Cidades Inteligentes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

 

Cidades inteligentes (Smart Cities) são cidades que utilizam tecnologia para otimizar a vida de seus habitantes. O objetivo é gerar eficiência nas operações urbanas e, ao mesmo tempo, manter o seu desenvolvimento econômico. 

 

As cidades inteligentes incorporam ferramentas de Tecnologia da Informação e Comunicação para auxiliar os processos de planejamento urbano e integrar os cidadãos às questões decisivas.

 

Nós estamos cansados de saber que estamos vivendo em um cenário crítico no que diz respeito à escassez dos recursos naturais, em contrapartida, temos diversos avanços tecnológicos e muita facilidade de comunicação.

 

Por isso, as cidades inteligentes oferecem uma série de benefícios para aumentar a qualidade de vida das pessoas que habitam esses espaços:

 

  • Contribuírem para o meio ambiente,
  • Visam a diminuição do custo de vida dos moradores,
  • Aprimoram os serviços públicos,
  • Comunicação mais efetiva.

 

Incrível, né? Assiste esse vídeo, é curtinho e bem legal: https://www.youtube.com/watch?v=Z8gwoB-R6rc

 

Foi pensando em mapear essas cidades que o Centro de Globalização e Estratégia do Instituto de Estudos Superiores da IESE Business School, escola de negócios da Universidade de Navarra, na Espanha, desenvolveu um índice para medir o grau de inteligência dos locais mais importantes do mundo: o Cities in Motion Index.

Segundo o Cities in Motion Index (CIMI), existem 10 dimensões que devem ser levadas em consideração para determinar o grau de inteligência de uma cidade:

 

  • Capital humano
  • Coesão social
  • Economia
  • Gestão pública
  • Governança
  • Mobilidade e transporte
  • Meio ambiente
  • Planejamento urbano
  • Conexões internacionais
  • Tecnologia

 

Vamos conhecer algumas cidades inteligentes?

 

Amsterdã (Holanda)

A combinação da tecnologia financeira, eficiência energética e cultura faz de Amsterdã uma importante potência europeia, segundo o índice. Cerca de 90% das famílias em Amsterdã têm bicicletas, e há um sistema avançado de serviços automatizados para o uso público de bicicletas compartilhadas. 

Além disso, foi lançado recentemente um projeto para banir carros movidos a gasolina e a diesel até 2025, o que tornará Amsterdã a primeira cidade com emissões zero de gases poluentes da Europa.

Além de apresentar um bom desempenho geral no índice, a cidade também está entre as 20 melhores nas dimensões de economia, tecnologia, planejamento urbano, alcance internacional e mobilidade e transporte.

 

Copenhague (Dinamarca)

Quando o assunto é sustentabilidade, um dos maiores exemplos de cidade inteligente é Copenhague, a capital da Dinamarca. Em 2005, o governo implantou algumas ações que levaram à população o conceito de Carbono Zero, e desde então as emissões de carbono foram reduzidas em cerca de 21%.

Como a cidade atingiu esse resultado? Além de incentivar o uso de telhados verdes e de carros elétricos, os moradores têm as bicicletas como um dos principais meios de transporte. A cidade disponibiliza diversos pontos para aluguel de bicicletas e tem investido em equipamentos que são acompanhados de GPS e sensores capazes de detectar a qualidade do ar e informar sobre congestionamentos no trânsito.

Com a adoção de medidas como essas, Copenhague tem mais uma meta a bater em 2025: fazer com que o consumo de carbono chegue a 1,16 milhão de toneladas per capita por ano, sendo que atualmente esse número gira em torno de 2 milhões.

 

Santa Ana (Califórnia)

Uma cidade inteligente exige a criação de medidas eficientes para melhorar a vida dos seus moradores. Foi pensando de uma maneira inovadora que a cidade de Santa Ana, na Califórnia, conseguiu desenvolver um sistema de tratamento de água para atender às necessidades da população sem deixar de lado a preocupação com a possibilidade de escassez desse recurso.

A ideia é simples: tratar grande parte da água que foi utilizada pelos moradores e, posteriormente, disponibilizá-la novamente para uso. A limpeza é feita por meio de micro purificação, que utiliza elementos químicos e equipamentos que emitem luz ultravioleta para eliminar as partículas de sujeira.

Devido ao seu bom funcionamento na cidade, o sistema impedirá que cerca de 230 milhões de litros de água impura sejam despejados no mar, e o modelo poderá se tornar uma das formas mais viáveis de fornecimento de água potável no futuro.

 

Songdo (Coréia do Sul)

Considerada a primeira cidade inteligente do mundo, foi erguida do zero para mostrar que um planejamento eficiente é o primeiro passo para o futuro de muitas cidades. Sua estrutura privilegia a integração de seus espaços, fazendo com que a população tenha acesso aos serviços básicos, à educação e à saúde de qualidade de uma maneira muito mais simples e receba respostas rápidas às suas necessidades.

Do ponto de vista do meio ambiente, Songdo foi pensada para valorizar os espaços verdes, otimizar as redes de eletricidade e manter baixa a emissão de gases do efeito estufa. Além disso, há a preocupação com o bom uso dos recursos naturais, a eliminação da coleta de lixo e o aprimoramento do trânsito por meio do uso da tecnologia.

A internacionalização é um dos fatores que mais contam para o seu crescimento no futuro, uma vez que foi desenvolvida em torno de um aeroporto. Com o slogan “A três horas e meia de um terço da população mundial”, a cidade foi planejada para atrair investimentos e se tornar o destino certo para quem preza pelo bem-estar e pela qualidade de vida.

 

O Brasil ainda não é reconhecido por um modelo de cidade inteligente, mas tem caminhado para realizar mudanças importantes no estilo de vida de alguns municípios: no Paraná, em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul, algumas cidades utilizam a tecnologia para o gerenciamento inteligente da energia elétrica. Com esse sistema é possível aumentar o controle da distribuição e diminuir as perdas ao longo do processo.

 

A tendência é que as cidades inteligentes no mundo ganhem cada vez mais visibilidade e se tornem exemplos para o desenvolvimento de mais espaços colaborativos, criativos e socialmente responsáveis.

 

Gostou de saber um pouco mais sobre as cidades inteligentes no mundo?

Eu fiquei muito curioso e já quero conhecer todas elas! 

 

Ah, vou aproveitar e deixar aqui a lista das vencedoras do Smart Cities Awards 2020:

  • Austin, EUA (mobilidade),
  • Dakar, Senegal (educação),
  • Espoo, Finlândia (esfera de dados),
  • Medellín, Colômbia (atratividade),
  • Shenzhen, China (transporte),
  • Santiago, Chile (finanças),
  • Singapura (meta de carbono zero),
  • Surat, Índia (resiliência),
  • Tallinn, Estônia (transformação digital), e
  • Viena, Áustria (habitação).

Compartilhe esse post com seus amigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Deixe uma resposta