Google e Amazon, duas professoras gigantes

pexels-pixabay-40185
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Google e Amazon hoje são grandes líderes do setor de tecnologia, mas nem sempre foi assim, né?! Hoje eu quero compartilhar com vocês, como eram essas empresas há 20 anos atrás, quando a gente nem sabia o que eram smartphones. Vamos nessa?

 

GOOGLE

 

Fundada em 4 de setembro de 1998 em Menlo Park, na Califórnia, costa oeste dos Estados Unidos. Os criadores são Larry Page e Sergey Brin, dois estudantes da Universidade de Stanford.

 

Larry Page e Sergey Brin começam a discutir ideias e percebem que a busca por informações poderia ser melhor e mais organizada. E, você deve se lembrar da sua época de universitário, que não haviam muitos recursos para grandes investimentos no negócio.

 

Então tudo era feito em computadores compatíveis com a renda dos dois rapazes e vale ressaltar que a Internet não possuía ferramentas tão eficazes para a localização de conteúdos a partir de palavras chave. Mas em dois anos, tudo já caminhava bem para Page e Brin.

 

Nessa época o escritório da Google era o quarto de um dos rapazes. E apesar do conforto, presente desde o início, eles estavam criando dívidas com equipamentos e afins, que não cabiam no orçamento e tornavam inviável levar o negócio adiante. E é nesse momento que surge a necessidade de se oficializar a empresa, para descontar um cheque recebido de US $100 mil, endereçado à “Google Inc.”

 

Em fevereiro de 1999, o escritório do Google se mudou para uma avenida em Palo Alto com apenas oito funcionários. Em agosto, a empresa se mudaria de novo, dessa vez para Mountain View, também na Califórnia, quando a força de trabalho já beirava os 40 funcionários.

 

Em 2003, a companhia se mudou pela última vez. Hoje a sede do Google está localizada em 1600 Amphitheatre Parkway, em Mountain View, Califórnia, no chamado Googleplex, uma brincadeira com as palavras “Google” e “complex” (complexo, em português).

 

Fato curioso: em 1999, a dupla Brin e Page decidiu que queria vender o Google. Eles procuraram a Excite, um famoso portal da internet fundado em 1995, e ofereceram sua mais famosa criação por US $1 milhão (valor da época). O CEO da Excite na ocasião, George Bell, recusou a proposta. Page e Brin tentaram novamente e abaixaram o preço para US $750 mil, mas Bell rejeitou novamente.

 

O início do ano 2000 foi marcado pelo ritmo acelerado de crescimento da empresa de Page e Brin. É no final do ano 2000 e início do terceiro milênio (2001) que a Google começa a fazer suas primeiras aquisições e tornar-se a incorporadora e produtora de serviços e produtos para internet.

 

A missão declarada da empresa desde o início foi “organizar a informação mundial e torná-la universalmente acessível e útil”.

 

O rápido crescimento do Google desde sua incorporação culminou em uma cadeia de outros produtos, aquisições e parcerias que vão além do núcleo inicial como motor de buscas. A empresa, atualmente, oferece softwares de produtividade online, como o software de e-mail Gmail, e várias outras ferramentas.

 

Mas, na verdade, o Google só conseguiria conquistar sua independência financeira mesmo em agosto de 2004, quando a empresa fez sua oferta inicial de ações (ou IPO, na sigla em inglês). A partir dali, qualquer um poderia comprar ou vender ações do Google Inc, tornando-a uma empresa pública.

AMAZON

 

A empresa é um exemplo de marca que nasceu na internet oferecendo serviços puramente online, mas que expandiu para outras atividades após sobreviver à temida bolha dos anos 2000.

 

A história começa no dia 5 de julho de 1994. Jeff Bezos era um engenheiro que trabalhava como analista em Wall Street. Lá, ele teve a oportunidade de aprender sobre o mercado online, que ainda era bem novo. Vendo a oportunidade à sua frente, ele decidiu largar o emprego bem remunerado e seguro para investir no mercado digital.

 

Instalou a empresa na sua garagem e começou a pôr em prática seus planos. Amazon não foi o primeiro nome: ela foi registrada como Cadabra, porque seria algo mágico. Mas um advogado de Jeff Bezos sugeriu que ele mudasse, porque a palavra soava muito parecida com “cadáver”. 

Ele também pensou em Relentless, que significa “implacável”, mas o nome também foi desaconselhado por alguns amigos. 

 

Fato curioso: Se você digitar relentless.com, adivinha para onde ele redireciona?

 

A inspiração do nome que foi oficializado é o Rio Amazonas, considerado o maior do mundo em extensão e em fluxo de água por vazão. Jeff Bezos batizou sua empresa esperando que um dia, ela também fosse a maior.

 

Ele começou a Amazon na sua garagem de casa junto com sua ex-esposa, MacKenzie Bezos, e o casal estava em dúvida entre 20 nichos diferentes. Até que pensaram na categoria de Livros. Além de ser a mais barata, também contava com mais itens possíveis do que as demais. Com a Amazon, todos os pedidos eram feitos online, uma grande novidade para a época. 

 

Bezos é conhecido por ser um cara extremamente calculista. O site nascer bem estruturado, após 1 ano para abrir as portas, foi essencial para assegurar o sucesso inicial e continuar crescendo.

 

Dois anos após seu lançamento, o site contava com mais de 2,5 milhões de livros no catálogo e 148 milhões de dólares em vendas. Apesar de parecer, não eram bons resultados e a estimativa de Bezos é que se levariam 5 anos para começar a ter lucro. E estava certo: os primeiros saldos verdes vieram no final de 2001.

 

Em 98, começou-se a vender CDs e DVDs e, no ano seguinte, brinquedos e eletrônicos em geral. Mas foi em 2000 que a grande revolução aconteceu, quando o Marketplace foi lançado. Essa é a venda de produtos de terceiros, como usuários ou lojas menores. Eles anunciavam lá e pagavam uma taxa para cada venda via Amazon.

 

No mesmo ano, no entanto, outro grande acontecimento no mundo pôs em grande risco a operação da Amazon: o estouro da bolha da internet. Como resultado, os preços das ações caíram da noite para o dia. As ações da Amazon, que valiam 100 dólares, passaram a valer apenas 6 dólares. Grande parte da equipe foi demitida e a empresa enfrentou uma possível queda.

 

Mesmo com sequelas, a marca conseguiu se reerguer e continuar operando.

 

Diante disso, a Amazon entendeu que poderia ir além da venda dos produtos físicos e oferecer seus próprios serviços. Desde então, nunca mais parou de investir em inovações tecnológicas e novas plataformas para auxiliar os usuários.

 

De acordo com a companhia, seu principal valor é conhecer as necessidades de seus consumidores. A Amazon também prega pela velocidade e inovação, fatores que contribuíram para a formação de uma cultura organizacional focada no cliente. Atualmente a Amazon está entre as empresas mais valiosas do mundo.

 

A tendência da Amazon é de um crescimento constante, seja em seus serviços ou em melhorias no marketplace. A verdade é que a empresa e a marca que estiverem atreladas à Amazon, sem dúvidas, poderão se beneficiar de todo o seu poder.

 

As duas histórias são incríveis, não acha?!

 

Eu gosto muito de ler sobre isso porque me faz refletir no quanto a determinação e foco desses caras foi fundamental para suas empresas chegarem onde estão! Se tivessem desistido de acreditar em seus negócios, ou desistido de seus sonhos e objetivos… Onde estariam agora?! 

 

Ninguém alcança o sucesso da noite para o dia, muito menos, sem muito esforço e trabalho envolvidos!

 

Vamos à luta?

 

Compartilhe esse post com seus amigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Deixe uma resposta