6 Dicas para escolher o coach certo

coaching-certo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Veja 6 dicas para você não escolher o profissional errado

Quando nos dispomos a passar por um processo de coaching, a sintonia e a confiança na relação com a pessoa que vai estar do outro lado para nos apoiar e orientar é essencial para os resultados que vamos alcançar. Muitas vezes chegamos até um profissional por indicação de algum amigo ou por ter ouvido falar do profissional em virtude do reconhecimento que ele possui no mercado. Qualquer que seja o caminho, vamos te passar sete dicas para ajudar a começar o processo ciente de que você se atentou para buscar o melhor profissional para seu crescimento.

1 – Peça referências

Hoje em dia para quase todos os serviços que vamos contratar, nada é tão valioso como as referências. As empresas se importam em ter a sua marca divulgada na mídia e em redes sociais para incentivar os bons comentários e referências dos serviços que elas prestam. Observe os comentários sobre os produtos em um Ali Express ou loja de produtos virtuais, as avaliações de aplicativos em uma Apple Store ou Google Play, os currículos de profissionais no Linked In. Se antes de contratar um profissional como uma diarista ou doméstica para cuidar da sua casa, você certamente irá buscar referências dessa pessoa, quanto mais para te acompanhar no cuidado da sua “casa interior”.

Idealmente, você pode pedir referências para outras pessoas acerca dos serviços do coach que você quer contratar ou mesmo buscar informações sobre ele na internet, caso seja possível. Além de pedir referências, temos uma outra dica prática com relação à habilitação do profissional como um coach. Você pode verificar no site da Federação Internacional de Coaching (https://www.icfbrasil.org) se ele é um coach associado à ICF,International Coach Federation. Isso demonstra um maior comprometimento da parte dele com a profissão.

2 – Ele vai prestar o serviço partindo de um objetivo definido

O coach é a aquele profissional que vai te ajudar a chegar onde você sempre quis, seja na carreira, seja na vida pessoal. Isso mesmo, onde você sempre quis. Isso significa que você precisa saber e definir quais são os seus objetivos e o coach vai te acompanhar e orientar nessa jornada de busca e superação em rumo aos resultados que você deseja. Não é o coach que define para você o que fazer ou buscar.

Caso você não tenha clareza com relação aos seus verdadeiros sonhos, aqueles que você está de fato disposto a buscar, o coach poderá te orientar nessa descoberta. Mas tudo virá de você! Ele irá te ajudar nessa busca interna pela sua clareza, seus sonhos, seu propósito e como você pode se desenvolver para alcançar tudo isso. Assim, o ideal é que você e o seu coach consigam definir de maneira específica qual é o resultado e o objetivo que vocês vão buscar desenvolver. Se não há objetivos, você corre o risco de chegar ao final do processo de coaching, tendo passado por diversas sessões, com a sensação de que não valeu a pena e não chegou a lugar algum.

3 – Observe se ele sabe ouvir e te passar confiança

Conforme já pontuamos, quando você inicia um processo de coaching, você está se dispondo a expor os seus objetivos e até sonhos para o coach que vai te orientar e impulsionar. Por conta desta relação é importante que haja empatia e confiança entre vocês dois. Quando um profissional se forma como coach, uma das competências que são enfatizadas é o saber ouvir. E, mais, considerando o Código de Ética do Coaching, o sigilo das informações repassadas durante as conversas com o coachee (você) é uma das regras básicas a serem seguidas.

4 – A primeira sessão dele é gratuita

Embora não seja regra, uma prática bem comum no mercado é de que a primeira sessão não seja cobrada. Na verdade, essa primeira sessão será aquele momento em que o coach (profissional) e o coachee (cliente) vão alinhar expectativas entre eles e a forma de trabalhar. Vocês irão acertar detalhes como, por exemplo, seus objetivos (caso isso já esteja claro, pois, do contrário, esse pode ser o aspecto a ser trabalhado ao longo das sessões), local, dias e horários das sessões, frequência de contato, valores e outros detalhes. Essa pode ser uma boa oportunidade para analisar a dica anterior caso você ainda não conheça muito bem o seu coach e queira maior segurança para fechar a parceria.

5 – Veja se os preços estão muito acima ou muito abaixo da média

Esse não é um aspecto muito muito fácil de avaliar, pois o valor das sessões pode variar entre extremos. Não é possível criar uma média precisa, se formos levar em conta apenas o valor cobrado pelos profissionais que existem hoje no mercado, e nenhum outro critério associado. Grandes coaches no mundo podem cobrar até mesmo mais de 250 mil dólares por uma sessão, a exemplo do topíssimo Tony Robbins, ou ainda 100 a 150 mil reais considerando outros grandes nomes aqui no Brasil.

Você pode ainda encontrar aquele profissional que não vai te cobrar nada e fazer o processo com você de graça. Em suma, o que queremos dizer é que para analisar esse aspecto você deve observar minimamente uma coerência entre o reconhecimento do profissional no mercado e o valor cobrado e analisar também outros fatores, como os mencionados aqui.

6 – Não espere aconselhamento, consultoria, terapia ou mentoring

Até agora falamos de diversos pontos que você pode observar no profissional para fazer a escolha certa. Mas algo é tão relevante quanto os pontos tratados acima: a sua expectativa. Ao iniciar um processo de coaching você deve ter as expectativas corretas, alinhadas com o tipo de serviço que está contratando. Você precisa saber que coaching não é aconselhamento, não espere que o seu coaching comece a disparar conselhos e diversas palavras sábias de como você deve resolver alguma situação ou problema que você leve até ele.

Coaching também não é consultoria ou mentoring, que são situações onde você contrata um profissional com experiência e resultados em uma área de conhecimento específica para te ensinar exatamente qual é o caminho das pedras que deve seguir para obter resultados semelhantes. E por fim, coaching também não é terapia, onde um profissional como por exemplo, um psicólogo, terapeuta ou psiquiatra vão investigar a sua situação, emitir um diagnóstico e tratar aquele ponto específico. Inclusive, muitas vezes, é possível que ao longo do seu processo de coaching o profissional identifique que é necessário te encaminhar para um terapeuta particular, como pode ser o caso de situações como traumas, abusos, doenças mentais, síndromes ou patias.

Compartilhe esse post com seus amigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Deixe uma resposta